Inauguração da sala de vídeo Major Luiz Thomas Reis

O Museu Nacional/UFRJ convida para a inauguração da sala de vídeo Major Luiz Thomas Reis e abertura da mostra de documentários científicos UFRJ VIDEO 2008, a ser realizada no dia 15 de setembro, a partir das 14h, com a exibição inédita do vídeo documentário “Caçadores de Dinossauros”, da Terra Brasilis Produções.

A UFRJ Video contempla diversos campos do conhecimento e se estende até o dia 21 deste mês, com entrada franca, mergulhando em um universo de expedições científicas, diversidade de etnias indígenas, movimentos sociais e conscientização ambiental.

Dia 15 de setembro
14 horas: Inauguração da Sala de Vídeo Major Luiz Thomas Reis
14h30min: Sessão inédita do vídeo “Caçadores de Dinossauros”

DESTAQUES DO EVENTO

17 quarta
Local Auditório do Museu Nacional / UFRJ
Manhã da Antropologia (9h)- Questão Indígena: Pisa Ligeiro
O vídeo é baseado em depoimentos das principais lideranças indígenas do país, que refletem a diversidade de 220 povos com histórias e culturas diferenciadas. Resultado de um trabalho de quatro anos desenvolvido por uma equipe do Laboratório de Pesquisas em Etnicidade, Cultura e Desenvolvimento (LACED) – Museu Nacional/UFRJ, em associação com organizações indígenas, o vídeo corresponde a um esforço de reflexão e auto-avaliação desses líderes sobre os últimos 15 anos de lutas e mobilizações.

Debatedores:
João Pacheco de Oliveira, antropólogo, professor titular do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPPGAS), Museu Nacional/ UFRJ; Bruno Pacheco de Oliveira, diretor do vídeo, jornalista, integrante do LACED.

20 sábado
Local Auditório do Museu Nacional / UFRJ
Trilhas de Conhecimento (13h)
Ao registrar o cotidiano de um grupo de acadêmicos indígenas de diferentes universidades do Mato Grosso do Sul, o vídeo apresenta seus anseios individuais, assim como as expectativas de suas comunidades, em relação às possíveis contribuições trazidas pelos conhecimentos científicos não-indígenas para a melhoria da qualidade de vida de suas coletividades. Por meio dos depoimentos
desses acadêmicos, também tornam-se nítidos os obstáculos por eles enfrentados, tanto no que tange o acesso, como a permanência na universidade, ambiente que, além de ser muito diverso daquele de suas comunidades, é, não raramente, insensível ou até mesmo hostil às suas presenças. A situação exposta é evocativa da situação mais ampla dos estudantes indígenas no ensino superior do Brasil.
Duração: 19′.

Endereço: Quinta da Boa Vista, s/nº.
Bairro Imperial de São Cristóvão.
Informações: 2562-6916 / 6906